No dia 28 de agosto de 1963, três garotos, Fernando, Ronaldo e José Marcos Gomes Vidal, estavam no quintal de sua casa, no Bairro Sagrada Família, em Belo Horizonte (MG).

Era final de tarde e eles estavam lavando um coador de café quando observaram um enorme esfera luminosa a mais ou menos 8 metros de distância. O objeto, que era transparente, flutuava sobre um abacateiro.

Dentro do objeto havia 4 seres, de aspecto estranho, sentados em um banco. Um dos seres era do sexo feminino, pois apresentava cabelos longos e louros, penteados para trás.

Estavam vestindo um tipo de escafandro. Na cabeça usavam um capacete redondo e transparente.

O uniforme era de cor castanho da cintura para cima e branco até os joelhos. As botas eram pretas. No tórax e nos membros a vestimenta era enrugada e feita de um material semelhante ao couro. Nas costas, havia uma caixa colorida.

O objeto observado possuía uma antena na parte superior. Esta antena tinha o formato de V. Na ponta das antenas havia uma esfera.

Em dado momento, o objeto projetou dois feixes de luz amarela. Entre os feixes desceu um dos tripulantes.

O alienígena caminhou até as testemunhas. José Marcos, que estava tirando água de uma cisterna, não tinha visto o objeto e os seres.

Os outros estavam juntou a uma parede. O alienígena estendeu o braço em direção de José Marcos.

Fernando correu e empurrou José Marcos antes que ele fosse tocado pelo ET. As testemunhas e o alienígena ficaram se olhando por alguns instantes.

O extraterrestre começou a gesticular, fazer movimentos com a cabeça e a falar em uma língua estranha.

As testemunhas então puderam analisar melhor a aparência do extraterrestre.

Possuía 2 metros de altura, tinha rosto de cor vermelha, sem nariz ou orelhas, boca com dentes brancos. Possuía um único olho, grande e escuro, no meio da testa.

O olho era arredondado, sem esclerótida. Segundo José Marcos, havia uma mancha escura como um risco horizontal, na parte central.

Sobre o olho, existia uma espécie de mancha escura que movimentava como uma sobrancelha.

O ser sentou-se na borda da cisterna. Fernando pegou um tijolo e atirou em direção ao ser.

O alienígena lançou um facho de luz amarela na mão do garoto. O facho luminoso saiu do seu peito.

O alien virou-se para o objeto e acenou, como que indicando que estava tudo bem. As testemunhas então entenderam que o alienígena não queria lhes fazer mal. Não sentiram medo e permaneceram calmas.

O extraterrestre apontou para a Lua, fazendo gestos, indicando que voaria para lá, ou que teria vindo de lá. Uma das testemunhas pensou consigo:

"Será que ele volta?". O alienígena imediatamente acenou positivamente com a cabeça.

Em seguida arrancou uma planta no solo e se colocou embaixo do objeto. Do objeto surgiram novamente os dois fachos de luz.

O alienígena subiu ao objeto, que emitiu uma luz forte e disparou silenciosamente em direção ao céu.

Fonte de Pesquisa : GEPUC On-Line - Ufologia com Seriedade na Internet

 

 

  INDIQUE ESTE SITE !

 

 

VOLTAR

mensageirosdoceu.net - 2004 - 2016 - Todos os Direitos Reservados.