O Caso Mirassol é um dos mais extraordinários casos de contatos com ET`s registrados no Brasil. O protagonista, Antônio Carlos Ferreira, na época guarda noturno, manteve contatos com ET`s em mais de 20 ocasiões. O primeiro contato de Antônio ocorreu em junho de 1979, quando ele era guarda noturno na construção da indústria de móveis Trans-Fafá, em Mirassol, próximo à São José do Rio Preto (SP). Antônio morava ao lado da construção e trabalhava das 17h às 05h da madrugada sendo que dormia boa parte do dia.

Na noite de 27 para 28 de junho de 1979, Antônio Carlos Ferreira fazia guarda tendo como companheiro um cão pastor alemão chamado Hongue. A cada 15 minutos Antônio marcava seu cartão ponto. Perto da meia noite um caminhão se aproximou e seu motorista parou para conversar com Antônio. Eles notaram que o caminhão começou a apresentar problemas sendo que o motorista seguiu viagem.

Por volta das 03h da madrugada de 28 de junho, Antônio marcou seu cartão ponto, amarrou seu cão próximo, e dirigiu-se ao banheiro. Então ele notou que um objeto descia no pátio, a uns 60 metros de distância. Ele foi verificar e notou a presença de três seres de baixa estatura. Um deles trazia uma pequena caixa, de onde saiu uma luz vermelha que atingiu Antônio, que ficou imobilizado.

Estes seres usavam um uniforme branco brilhante que cobria totalmente os seus corpos, incluindo a cabeça. Não foi possível observar detalhes faciais. Antônio notou que eles tinham uma caixa pequena no peito e nas costas uma caixa maior com um tubo ligado diretamente ao capacete na altura do nariz e da boca, conforme o desenho abaixo:

No peito, havia uma pequena insígnia do lado esquerdo. Dentro da nave, os tripulantes também usavam capacete

O objeto observado por Antônio, tinha formato oval, apoiava-se em três pés e possuía uma porta retangular. Antônio foi levado para bordo do objeto, que decolou em seguida, produzindo um zumbido de transformador. Após a decolagem Antônio não lembra de mais nada. Antônio acordou em uma sala onde havia 12 seres. Alguns deles tinham pele esverdeada, e os outros tinham pele escura. Sua linguagem era estranha e sua voz era mais aguda que a humana, mas era de aspecto agradável. Os tripulantes conversavam entre si.

Segundo o abduzido, no exterior da nave havia um circulo vermelho que girava a grande velocidade. Antônio quis se aproximar de uma janela, mas os tripulantes fizeram-no sentar novamente. O objeto era iluminado por luzes nas cores vermelha e verde.

Antônio só lembra de ter acordado, por volta das 5 da manhã, na porta do banheiro. Ele estava atordoado e tinha formigamentos pelo corpo todo. Posteriormente ele notou que haviam manchas escuras espalhadas pelo corpo, principalmente nas costas.

A mãe de Antônio, Dona Guaracy, que sempre acordava cedo para preparar o café, notou que o filho chegou transtornado pela manhã. Antônio sempre conversava com ela quando chegava e naquela manhã isso não aconteceu. Ele recusou o café, tomou um banho e foi dormir. Ela, pensando que o filho estivesse doente, perguntou se o filho precisava de alguma coisa. Ele respondeu que estava muito contente em função da experiência pela qual passou.

Dona Guaracy lembrou-se que durante a noite ouviu um barulho altíssimo. Assustada, ela acordou seu marido que disse-lhe que o barulho provavelmente vinha da caixa d'água. Dona Guaracy afirma ter ouvido este som por mais de 15 minutos, voltando depois a incomodar por mais algum tempo (note que o som foi ouvido no mesmo horário em que o caminhão afogava o motor). Dona Guaracy procurou um vizinho, chamado Alonso, e posteriormente o chefe da obra onde Antônio trabalhava, pois acreditou que se tratava de roubo. Mais tarde, ela procurou o policial José Zanvello Neto (Zézo) e contou-lhe o que ouviu do filho. Zanvello, então, verificou o local do ocorrido. Ele descobriu que havia uma área circular onde não havia pó. Dona Guaraçy notou que o capim do barranco próximo do local estava queimado. Mais tarde, ela notou, quando lavava as roupas do filho, que o paletó estava rasgado no forro. Havia manchas próximo ao bolso da camisa, e a cueca, usada na ocasião, estava toda rasgada.

Um morador da região testemunhou, mais tarde, que observou uma esfera luminosa de cor avermelhada, sobrevoar a região da industria onde Antônio trabalhava. Outra moradora da região, Neiva Ferreira de Oliveira estava com a televisão ligada quando ouviu, mais ou menos à meia-noite, o mesmo ruído descrito por dona Guaraçy. Além disso, o cão que acompanhava Antônio na ocasião, apresentou distúrbios de comportamento e medo do local onde ocorreu o contato.

Antônio passou por duas seções de hipnose regressiva na tentativa de recordar-se do que ocorreu durante a abdução. As regressões foram realizadas no Instituto Braid - Centro de Atendimento Integrado de Psicologia Parapsicologia e Aplicação de Recursos da Mente, situado na cidade de São José do Rio Preto (SP). As seções foram conduzidas pelo parapsicólogo Álvaro Fernandes, do Grupo Aura de Pesquisa Ufológica.

A primeira sessão foi realizada em 5 de agosto de 1979, e a segunda em 19 de agosto de 1979. Não foi notada qualquer contradição, quer seja nos depoimentos, quer sejam nas seções de hipnose.

-- A regressão

Antônio lembrou-se que o o cão pastor alemão se encontrava próximo ao banheiro preso à guia. Quando os seres estranhos apareceram, ele tentou ataca-los, sendo que foi imobilizado imediatamente. Após isso, os seres apontaram uma luz vermelha no rosto de Antônio que sentiu-se paralisado, sendo então, conduzido para o objeto. Antônio não sentiu seus pés tocarem o solo durante o transporte até a nave, o que sugere que ele estava flutuando. O OVNI também não tocava o solo, permanecendo estático alguns centímetros acima dele. Ele era metálico e dentro notava-se cores amareladas. Antônio notou que haviam assentos, sendo que um deles possuía um painel redondo com aparelhos e botões acionados por um dos tripulantes. A altura foi estimada em 2 m, sem janelas, tendo também uma pequena porta retangular.

Deste objeto, Antônio foi levado a uma sala com algumas luzes azuis, marrons e amareladas. Antônio também não sentia seus pés tocarem o solo. O Et`s levaram-no a uma sala onde havia alguns aparelhos. Nesta sala haviam seres baixos que vestiam uniformes brancos que cobria todo o corpo, com exceção da cabeça. Ele notou que haviam dois tipos de seres na sala. Alguns tinham pele cor de chocolate, olhos grandes e pretos, sem cílios e sem sobrancelhas, puxados como dos chineses, nariz comprido, boca grande com lábios carnudos e queixo pontudo e fino. Tinham cabelo crespo, de cor avermelhada, orelhas grandes e pontudas aparentando ter quase o dobro do tamanho da nossa. Os outros seres observados tinham pele esverdeada, cabelos lisos e pretos, nariz fino, olhos puxados, boca grande com lábios finos além de orelhas e queixos grandes e pontudos. Todos os seres tinham aproximadamente 1,20 m de altura e cabeça grande desproporcional ao corpo

Na sala onde Antônio se encontrava, as paredes tinham aspecto metálico brilhante, sendo que em uma delas havia um painel grande com luzes verdes e vermelhas. Em outra sala havia uma janela por onde ele observou a Terra à distância. Na parede oposta à janela, havia um quadro com desenhos de cor verde brilhante, semelhante a um mapa que ofuscava a visão quando se olhava para ele. Um dos aparelhos presentes nesta sala tinha formato retangular, com cinco botões verdes e uma luz redonda na parte superior, da qual saiam vários fios. Esse aparelho era semelhante à uma televisão, embora não possuísse uma tela de projeção. Os tripulantes do objeto colocaram Antônio de frente para esse aparelho. Este aparelho teoricamente registrava seus pensamentos.

Nesta mesma sala havia uma mesa retangular com diversos bancos retangulares e redondos de cor escura, onde Antônio Carlos foi colocado, deparando-se com uma extraterrestre, completamente nua, que demonstrava claramente suas intenções enquanto tentava pegar em suas mãos. Esta entidade feminina seria mais alta que os outros tripulantes, sendo sua altura estimada em 1,50 m de altura, sendo de pele marrom, fria ao toque. Ela possuía pêlos vermelhos na região pubiana.

Em nenhum momento a entidade pronunciou qualquer palavra, expressando-se apenas por gestos. Ela tentou em várias ocasiões beijar Antônio. Este sentia repulsa pela entidade, que Antônio considerou muito feia. Quando ela tocava Antônio, este sentia choques elétricos desagradáveis.

Depois de ser colocado no divã, os tripulantes do objeto tentaram tirar a roupa do abduzido. Antônio reagiu. Com isso os seres fizeram Antônio cheirar uma substância com odor muito forte. Antônio enfraqueceu e os seres puderam despir Antônio. Estes seres retiraram a roupa de Antônio com certa violência, o que produziu os rasgos observados pela mãe de Antônio, Dona Guaracy. A fêmea, tentou aproximar-se novamente de Antônio, tentando pegar na mão dele. Com muita repulsa Antônio repeliu-a novamente.

Os raptores injetaram uma substância na veia de Antônio que ficou totalmente paralisado. No seu braço esquerdo foi colocado um aparelho de finalidade desconhecida. Após isso, eles passaram um óleo de cor escura nas pernas, órgãos sexuais, peito, costas e nuca. Após isso, eles fizeram com que ele mantivesse relações sexuais com a tripulante fêmea. Deixaram-no por um tempo com a jovem e, finalmente, resolveram tirar o aparelho de seu braço esquerdo, vestindo-o de novo e passando novamente o óleo em suas pernas.

Durante todo o tempo, os tripulantes falavam entre si em um idioma desconhecido. Porém, Antônio entendia o que diziam quando se dirigiam a ele. Em várias ocasiões os seres falaram para que Antônio não tivesse medo, pois eram evoluídos e não fariam mal a ele. Eles afirmaram serem originários de outros planeta e que tinham interesse em produzir um ser híbrido (meio humano - meio alienígena) e que este não seria o ultimo encontro entre eles. No próximo encontro ele seria informado através de três sinais. Em certo momento, Antônio sentiu fome e os extraterrestres ofereceram-lhe um líquido escuro para beber. Após estes fatos, Antônio foi levado à uma sala escura, sendo posteriormente levado para a nave de transporte, sendo devolvido ao local de seu rapto.

No mês de setembro, Ant6onio passou por uma nova experiência. Antônio Carlos tinha ido à casa de sua noiva. Quando estava na sala de visitas conversando com os pais dela, estes sentiram-se sonolentos, embora fosse muito cedo para ir dormir.

Quando ele estava sozinho com a noiva, Antônio observou uma pequena esfera verde que se movimentava pela sala, aproximando-se de Antônio. O objeto parou atrás da garota que imediatamente adormeceu em seu ombro. Ele sentiu formigamento pelo corpo e percebeu que os mesmos seres queriam contatá-lo novamente. Neste contato disseram que os contatos iriam continuar. Disseram estar descontentes com a regressão realizada dias antes e que ele deveria abandonar o cigarro. Também recomendaram que a mãe de Antônio não comentasse os eventos com outras pessoas. Recomendaram que Antônio casasse apenas em cartório. Após a mensagem a esfera desapareceu. A noiva de Ant6onio acordou imediatamente após isso.

Um terceiro contato ocorreu, sendo que desta vez Antônio foi levado para um local onde havia várias naves. Ele foi deitado em uma cama, sendo forçado a tomar um líquido amarelo. Eles injetaram outro líquido da mesma cor em sua veia e colocaram um aparelho em seu braço esquerdo. A seguir, lhe apresentaram seu filho e a mãe do garoto híbrido.

Sob hipnose, Antônio descreveu a ET exatamente da mesma forma que havia feito na regressão do primeiro contato e o garoto como sendo igual aos da espécie da mãe. Outros contatos se repetiram, sendo que sempre o mesmo tipo de check up era realizado. Numa das operações, soube que estava sendo preparado - com uma marca no lado esquerdo do corpo, semelhante ao emblema que usavam em suas roupas - para que os seres extra-planetários pudessem contatá-lo sempre que fosse necessário.

Em de 16 de julho de 1984, Antônio Carlos foi levado novamente. Desta vez ele foi raptado quando ia ao banheiro, que ficava fora da casa. Isso ocorreu por volta de 0 1h 30 da madrugada, sendo que Antônio recobrou a consciência somente às 08h num terreno atrás de sua residência. Havia uma marca de injeção no seu braço esquerdo. Através de hipnose regressiva descobriu-se que ele foi sugado por uma luz verde, passando posteriormente pelas mesmas experiências anteriores. Desta vez, Antônio observou a presença de alguns extraterrestres altos, com cabelos compridos e louros, olhos grandes e azuis, com estatura superior a 1,75 m. Seus trajes eram diferentes e não usavam emblemas na vestimenta.

Após tomar um líquido amarelo, Antônio foi levado a um compartimento onde vestiu um traje espacial com capacete munido de sistema de respiração. Assim ele foi levado para conhecer o exterior da nave. O local onde a nave estava posada parecia-se com uma base de operações com vários abrigos e o que pareciam ser robôs. O chão era de areia muito fina, no horizonte eram visíveis montanhas com picos em formato de agulha, além de crateras de variados tamanhos. Tudo estava encoberto por uma neblina cinzenta. Haviam diversos tipos de seres no mesmo local.

Em um contato posterior, ocorrido em 4 de novembro, Antônio acordou, por volta das 22h30 m e foi para o quintal. Ao sair ele foi iluminado por uma luz vermelha que o puxou para a nave. Neste contato ele voltou para o mesmo local do contato de 16 de julho de 1984.

Em uma outra ocasião, Antônio estava com mais algumas pessoas que testemunharam seu desaparecimento e posterior reaparecimento em meio à uma ventania. Ele era guarda municipal. Trabalhava no turno da noite e desapareceu quando uma luz verde surgiu. José Benedito da Silva viu quando Antônio virou uma esquina, segundos antes do surgimento da luz. Ele e outros guardas notaram a ausência de Antônio e realizaram buscas na região na tentativa de encontrá-lo. Por volta das 4 horas da manhã, eles ouviram as arvores do quintal da Delegacia Regional Agrícola se agitar como se estivesse ocorrendo uma ventania. O estranho é que só aquelas arvores estavam agitadas.

Eles foram averiguar e encontraram Antônio deitado de bruços, desacordado. Seu corpo estava gelado. Ele só acordou por volta das 4h 30m. Outros contatos houveram e provavelmente continuam ocorrendo. No entanto não tivemos maiores informações.

Fonte de Pesquisa : GEPUC On-Line - Ufologia com Seriedade na Internet

 

 

  INDIQUE ESTE SITE !

 

 

VOLTAR

mensageirosdoceu.net - 2004 - 2016 - Todos os Direitos Reservados.