Venho narrar minha experiência para que os desavisados saibam um pouco mais da vida.


Ouvíamos ao longe os sons do fronte de batalha.

Todos os companheiros expressavam um olhar de pavor.

Aguardávamos nossa ora, hora que não desejávamos.


No tique-taque do relógio, não sei bem qual, o comandante ordenou nossa partida.

Alta noite; faces transtornadas pelo pavor...


A cantilena de dor logo se fez presente. De arma pronta fomos nós.


Tive tempo de poucas reflexões: quem vou matar? Por que vou matar?


A escuridão, o frio e o som da guerra tornava o ambiente assustador.

Não sei o tempo que durou mas, de repente, senti algo muito estranho.

Não descrevo minha estranheza por falta exata dos fatos, embora, asseguro que, sentia-me vivo.


Soube mais tarde que já não pertencia a terra, apesar de continuar vivo.


Quero aqui, não descrever os horrores da guerra, pretendo com esta singelas linhas, contar para todos, em particular para os que acham que tudo acaba no túmulo que a vida continua.

A morte nunca existiu.


Termino dizendo que, vivam com responsabilidade, com amor ao próximo, com ações construtivas e sabedores de que a cada um cabe tarefa na terra.

Obrigado por essa oportunidade. Rogo a Jesus a proteção para todos vocês.

Um irmão que sobreviveu a morte.

Psicografia recebida em 2018.


Médium: Aldo.



Voltar

 

mensageirosdoceu.net - 2004 - 2009 - mensageirosdoceu.net - 2004 - 2018 - Todos os Direitos Reservados. odTodos os Direitos Reservados.