Foi num carnaval, há muitos carnavais.


Despertei meio assustado, meio confuso. A cabeça doía, o estômago embrulhado. Já conhecia aquela sensação: ressaca pura, depois de mais uma noite de farra, aumentado por toda a permissividade do carnaval.


Não estava no meu quarto. Não reconheci o lugar, pois também não parecia a casa de nenhum conhecido.


"Tudo bem", pensei, devia ser a casa de alguém que conheci naquela noite, o que não seria incomum. O fato é que não me lembrava de nada, somente lampejos da festa da noite anterior.

Lavei o rosto, sentei-me na cama. Olhei pela janela e vi que estava num andar muito alto, de onde avistava-se extensa área verde, o que me deixou preocupado. Eu conhecia bem a cidade e sabia que não existia nenhum parque daquele tamanho, o que levava-me a crer que estava numa área rural.


"Como vim parar tão longe?"


Notei então que a porta não tinha maçaneta pelo lado de dentro, isto é, eu não podia sair.


Entrei em pânico. Esmurrei a porta e, aos berros, exigia que me libertassem. Gritei, chorei, insisti, mas não aparecia ninguém.


Pensei então na janela. Era alto, mais pensei que conseguiria pular e fugir dali. Precisava, afinal, voltar para casa e tomar mais um "trago".

Decidido, dirigi-me a janela, disposto a tudo, quando ouvi o ranger da porta abrindo-se.


Um homem de porte avantajado, que imediatamente reconheci como meu falecido irmão mais velho, me disse:


- Vai com calma irmão. Está querendo morrer duas vezes no mesmo dia?

Desde momento em diante, foi um longo e árduo caminho até eu pudesse me livrar do vício, recuperar-me e reconquistar o equilíbrio.

Resgatei penosas lembranças, como a daquele fatídico dia onde mais uma vez embebedei-me e acabei dando cabo da própria vida, atirando meu carro contra um poste. Morri sozinho, por sorte, não complicando ainda mais a minha problemática situação de suicida.


E, graças a Deus, meu irmão, credor de valiosos serviços, foi autorizado a resgatar-me do umbral, senão eu ainda estaria por lá.


Hoje, ao lado de meu irmão, rondo a cidade de São Paulo em busca de incautos como eu, tentando auxiliá-los a trilhar o difícil caminho escolhido ao vestíbulo da Espiritualidade.

José Carlos.

 


Voltar

 

mensageirosdoceu.net - 2004 - 2009 - mensageirosdoceu.net - 2004 - 2016 - Todos os Direitos Reservados. odTodos os Direitos Reservados.