Caso acontecido em 1975

Vamos começar o nosso relato falando um pouco sobre a vida de João,homem simples e trabalhador,gostava de conviver com amigos sempre aos finais de semana encontrava com eles para ir jogar e se divertir,era acostumado a ficar até de madrugada jogando sinuca,era conhecido na roda de amigos como um homem destemido

Ele não tinha religião acreditava em deus,mas brincava com o desconhecido,quando encontrava um despacho na encruzilhada ele chutava e pegava objetos e alimentos para levar para a sua casa

Sempre quando ele ia embora de madrugada dizia algo para os amigos em tom de brincadeira,até então isso nunca tinha lhe causado algo que ele fosse se arrepender,pelo menos por enquanto

A semana santa estava chegando e algo ia mudar para sempre a vida de João

Como sempre a semana santa chegava e João continuava fazendo o que sempre fez jogando e chegando de madrugada em sua casa

Até que chegou sexta feira da paixão nesse dia João trabalhou normalmente,chegou em casa tomou o seu banho se trocou e disse para a esposa que iria se encontrar com os amigos e que não tinha hora para retornar

A esposa disse para ele ficar porque era sexta feira santa, que pelo menos nesse dia ele devia respeitar,mas João deu risada dizendo " pra mim é um dia qualquer"ela então se calou pois não adiantava perder tempo nunca ela ia mudar o pensamento de seu marido

João terminou de se arrumar deu um beijo na esposa e foi ao encontro dos amigos

Chegando lá contou para os colegas o que a esposa havia dito e deu gargalhadas dizendo " essas mulheres não tem jeito mesmo acreditam em tudo"então começaram a jogar enquanto a noite se passava

Nesse dia eles jogaram mais do que nos outros dias, quando terminaram já passava das 3:00 horas da madrugada,então eles se despediram e seus colegas que moravam próximos disseram para ele "cuidado já é tarde vai com deus"

João que sempre tirava um sarro de tudo disse para eles "se eu encontrar a morte eu mando lembranças suas"os colegas dele se arrepiaram dizendo "você não tem jeito mesmo"

Então ele começou a caminhada para a sua casa que ficava algumas quadras dali,a madrugada estava fria não tinha ninguém na rua nem carro passava a essas horas naquele local,o silêncio era sufocante

Quando chegou na metade do caminho João começou a ouvir passos que indicava que alguém estava tb na madrugada,ele não se importou porque afinal ele não tinha medo de nada nem de vivos nem de mortos

Ele começou a descer a ultima avenida que dava acesso a rua de sua casa,foi quando ele percebeu que os passos estavam aumentando então ele olhou para trás para ver quem era,foi quando viu no alto da avenida uma pessoa que estava no meio da pista olhando para ele,mas devido a madrugada estar com muita serração não dava para ver direito

Foi quando um frio diferente percorreu todo o seu corpo,então ele continuou a descida e aquela pessoa tb começou a descer atrás dele ,conforme ele ia apertando os passos a pessoa tb apertava,foi nessa hora que João estava sentindo algo que ele nunca pensou em sentir (medo)

quando ele ja estava perto da sua rua ele começou a correr e aquela pessoa tb começou a correr atrás dele,João corria e olhava para trás agora dava para perceber melhor que quem corria atrás dele era alguém que usava uma capa e um chapéu

Finalmente João entrou na rua de sua casa,ele corria com toda a força de suas pernas,chegou na sua casa tentou tirar a chave do bolso mas ela caia ele tremia tanto que não conseguia nem segurar a chave,ele olhou para trás e a pessoa que seguia ele tinha desaparecido,mas o medo não,depois de tantas tentativas de abrir a porta ele conseguiu colocar a chave para abriar a porta

Foi quando uma mão gelada tocou em seu ombro ele apavorado olhou para ela e era uma caveira vestida de preto com uma capa e um chapéu,João de tanto medo desmaiou,a esposa que ouvindo seus gritos correu até a porta quando abriu encontrou o marido desmaiado com um semblante de pavor no rosto

Após dois dias do fato ocorrido finalmente João conseguiu contar o que se passou naquela madrugada e levou até o final de sua vida a certeza de que não estamos sozinhos nesse universo,que existem outras forças que desconhecemos e temos que respeitar.



Os Nomes acima são fictícios qualquer semelhança com os fatos é mera coincidência

 

 

INDIQUE ESTE SITE !

 

 

 

Voltar

 

mensageirosdoceu.net - 2004 - 2016 - Todos os Direitos Reservados.